Audição Pública Parlamentar do PCP-“Direito à Habitação”


Partilhar

O Morar em Lisboa, a convite do PCP, participou na Audição Pública: «Direito à Habitação – A Intervenção Pública» – 23 de junho,  Assembleia da República. Foi uma sessão de 4 horas onde pudemos discutir e apresentar propostas para colocar a habitação na agenda política. Em breve teremos o registo aúdio.

 

 

O relato elaborado por Luís Paisana, da AMBA ( Associação de Moradores do Bairro Alto)

A Audição decorreu com muita participação:  15 intervenções ,4 das quais do Movimento Morar em Lisboa que mais uma vez soube gerir bem as intervenções que alem de complementares abrangeram todos os problemas que temos vindo a levantar na Carta Aberta e nas reuniões que temos vindo a realizar quer com o Presidente da CML ,quer com os Presidentes de Junta quer com Partidos Políticos e outros encontros de cidadania.

A Lurdes Pinheiro (APPA) abordou a problemática dos Bairros Históricos onde a pressão é maior, destacando o despovoamento, a descaracterização do território onde os moradores são compulsivamente afastados do local onde nasceram e fizeram grande parte da sua vida e dos seus elos familiares e de vizinhança.

O Luis Mendes (IGOT) abordou de forma aprofundada e brilhante toda a problemática da gentrificação e Turistificação da cidades em particular de Lisboa e Porto.

O António Machado (AIL) desenvolveu algumas das propostas que têm vindo a ser apresentadas pela AIL nomeadamente a questão fiscal e o conceito de Arrendamento Local para Turismo que sempre existiu em zonas Turísticas e que tem de ser diferenciado do “short renting ” que tem grande responsabilidades no impacto negativo que o mercado de arrendamento tem sofrido em termos de oferta e preço.

Finalmente eu falei no nosso percurso desde que o Movimento foi lançado, das ações já realizadas, da crescente pressão dos arrendatários e do “bullying” imobiliário, da responsabilidade da legislação em vigor e da estratégia que tem sido seguida pela cidades para a sua promoção e venda.

 

 

 

Guardar

Partilhar

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *