O testemunho de Ana Benavente 11


Partilhar

124,123,122, cada manhã conto os dias que faltam. Cada dia vale um ano. Cada semana é uma eternidade. Tenho 72 anos.

NÃO, o seu contrato não será renovado. Entregue as chaves no dia ……. Não são precisas razões. A carta chegou, registada, através de uma sociedade de advogados Passaram 4 anos. Vim para esta casa com um senhorio que tal me propôs. Vendeu o prédio. A uma Sociedade. Soube que o anterior prédio em que vivia, perto daqui, também foi vendido. E a verdade é que ainda nem desfiz alguns caixotes que de lá trouxe.

Descobrimos então o HORROR da actual LEI DAS RENDAS. Do governo da troïka. Nenhum direito, absolutamente nenhum. A falta de informação é geral. Muita gente pensa estar “protegida” por ter mais de 65 anos. Engano. Já não existe tal norma. E os mais novos? E todos?

Resta procurar no mercado inflacionado, de preços galopantes, fora de qualquer lógica de troca de serviços (quem paga e quem recebe). Em concorrência com todos os que chegam de países mais ricos e arrendam mais caro. Para nós, não há respostas. Contratos de 3 anos, em que tudo pode recomeçar, tal e qual como agora.

Pergunto ao meu país, ao governo, ao município: ninguém se apercebe do que se passa? Do medo que se instalou? Dos direitos só dum lado?  É urgente mudar a LEI DAS RENDAS. Estou nessa luta.

Ana Benavente, Lisboa,  ano 44 da democracia

Partilhar

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

11 thoughts on “O testemunho de Ana Benavente

  • ana paula

    ninguém está protegido depois da Lei Cristasm na semana passade um senhor que vivia ha mais de 40 anos numa casa foi despejado

  • rui mota

    Uma vergonha, esta especulação imobiliária desenfreada, com o argumento do mercado livre (para quem?) que protege os proprietários, a coberto de uma lei de rendas injusta, aprovada em tempo de recessão e de necessidades vitais da população. E o que faz a autarquia neste campo, já que, das pracetas e das ciclovias, não se esqueceu? Uma cidade para turistas, que despreza os seus residentes, a troco da “galinha dos ovos de ouro” de um lucro temporário. Uns tristes, os gestores da nossa vida pública.

  • helder dias

    as leis ,como deve saber são feitas baseadas em grupos de interesse,dado que o interesse geral é uma figura de estilo e as mafias que dominam não deixam nada de fora ,nada que dê dinheiro ,bem entendido….procure entre os deputados quem teve interesse nisso e denuncie,mas denuncie mesmo

  • Pedro Sal

    A reforma dela nao deve chegar para pagar a renda. Mais uma que vive dos rendimentos de quem realmente trabalha e se vem queixar. Isto e Portugal.

  • jojo

    E nunca teve dinheiro para comprar uma casinha pequenina… devia ter vergonha, alguem que deve ter uma reforma que o resto dos mortais nem num ano inteiro recebem…. informações retiradas da internet””” Ananavente fez toda a sua formação académica na Suíça e é doutorada, desde 1985, em Ciências da Educação pela Universidade de Genève. Investigadora no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa na área da Educação, após vários anos ligada à formação de professores na Faculdade de Ciências de Lisboa. Aposentou-se em 2009.Vice-presidente (eleita pela Europa) do Conselho Geral do BIE (Bureau International de I’Education), UNESCO, Genève (2001-2005). Membro do Comité do CERI (Centre pour la recherche et l’innovation) da OCDE (1996-2002). Deputada à Assembleia da República (1995-2005). Foi Secretária de Estado da Educação (1995-2001), nos XIII e XIV governos constitucionais.

    Representante governamental junto de agências internacionais na Europa, África, América, Austrália e Japão. Com uma vasta obra publicada e centenas de participações em Colóquios, Conferências e Congressos, nacionais e internacionais. Actualmente, prossegue actividades de consultoria internacional e é professora na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, nos cursos de mestrado e doutoramento.

  • Fernando Palma

    Pode sempre comprar uma casa e fica com direitos todos.
    Pelo que li o seu contrato é de quatro anos e vai durar 4 anos. O proprietário quer a casa para uma coisa qualquer e você não faz parte da equação. Ninguem a está a colocar na rua. Apenas um contrato que existe e pelos vistos vai ser cumprido.
    Ainda que houve o 25 de Abril para podermos ter contratos que as partes levam até ao fim de forma democratica. Para continuar era preciso as 2 partes estarem de acordo, o que não acontece. Os direitos estão dos 2 lados.

  • Paulo Matos

    Revoltante é a distinta lata de Ana Benavente para mentir neste artigo! Talvez queira informar toda a gente quanto é que era a sua renda antiga e o seu rendimento…

  • MArgarida Veiga

    Mas se não investiu o SEU dinheiro, porque exige viver na casa comprada com o dinheiro dos OUTROS? Acha mesmo que é legítimo decidir o que fazer com os bens alheios, casa, carro, terrenos, a seu bel prazer e sem direitos para quer investiu, tem de manter e de pagar impostos?

  • Maria Cecília Geraldes

    Não se admite num país democrático.
    Em Abril 1974 já tinha 24 anos e uma filha.
    Do que vivi antes, só posso associar este horror ao fascismo. E esse nunca mais !!!

  • jojo

    Portanto no seu entender, um proprietário é por si só logo à partida um ganancioso, e um inquilino tem por si só direito a viver na mesma habitação a vida toda, independentemente do seu vencimento/reforma e regalias como é o caso desta senhora e independentemente do valor da renda! Por isto é que as cidades estavam ao abandono e a cair de podres, o Direito à habitação está na constituição mas é o Estado e não os particulares que tem o Dever de garantir o acesso aos cidadãos!!! Quem tem reformas astronómicas nunca iria ter apoio do estado, mas querem viver à custa de particulares!!! Por isso é que estas pessoas dão a cara, e aproveitam-se de quem realmente necessita de ajuda! Ajuda essa que é o Estado que tem de providenciar!