Intervenções do Morar em Lisboa na AML


Partilhar

Participação do Morar em Lisboa no debate temático promovido pela Assembleia Municipal de Lisboa sobre “O Impacto do Turismo na Cidade de Lisboa”  e organizado em 2 sessões.

 

13 de Novembro de 2018  (2ª Sessão – Impacto Social e Turistificação)

 

(As intervenções das entidades e do público começam em 3:12:15)

 

Boa tarde a todos, em nome do Morar em Lisboa quero agradecer o convite que nos foi feito para participarmos no debate de hoje, apesar de não concordarmos com o formato do mesmo. Isso porque consideramos que um debate que se limita à mera argumentação de cada interveniente e que não prevê a representação cidadã na mesa de oradores, dificilmente pode levar a uma conclusão que vise a aproximação de todas as partes.

 

Consideramos que a hiperespecialização de Lisboa na indústria turística, está a pôr em causa o direito de todos os cidadãos à cidade e à habitação. O número de habitações transformadas em Alojamento Local, o aumento das unidades hoteleiras, o progressivo desaparecimento do comércio local a favor de um comércio globalizado e gourmetizado, e a gradual privatização do espaço público, têm vindo a provocar o despejo direto, indireto e/ou por exclusão da população local. Paralelamente, consideramos que a identidade social e cultural não seja valorizada.

 

Conhecemos os dados quantitativos acerca dos benefícios da indústria turística, mas sabemos também que os dados quantitativos e qualitativos acerca das dificuldades que esta indústria traz para as populações locais, são dificilmente quantificáveis e, ao mesmo tempo, são despejados do discurso dominante. Se o turismo trouxe novos empregos, muitos destes são sazonais, mal remunerados e sem direitos. Perguntamo-nos se este desenvolvimento económico favorece a população local ou uma pequena elite transnacional.

 

Reconhecemos a grave situação em termos de conservação física em que a cidade se encontrava e se encontra. Mas sabemos também que as ações hoje chamadas de reabilitação se traduzem, de facto, em ações de renovação e fachadismo.

 

Em função destas breves considerações, e no âmbito específico da temática aqui abordada hoje, “Impacto social e Turifisticação”, propomos diversas medidas, dentro das quais, juntamente com as já propostas no dia 13 deste mês, destacamos:

 

  1. Promoção da Democracia Participativa, através de processos participativos desde as suas fases iniciais;

  2. Promoção de uma política equilibrada de integração do turismo na vida da cidade e regulação da carga turística;

  3. Regulação do Alojamento Local, com discriminação entre atividade comercial e atividade de partilha, no respeito do artº65 da constituição que se compromete em proteger a habitação, e limitação da abertura de novos estabelecimentos hoteleiros;

  4. Incentivo e proteção do comércio local;

  5. Limitação da privatização dos espaços públicos, que devem servir em primeiro lugar a população;

  6. Proteção social para os cidadãos de parcos recursos económicos ou com situações de maior fragilidade social e promoção da habitação;

 

Mais uma vez, na ótica duma cidade com mais qualidade de vida para todos e todas, mais justa e com maior justiça espacial.

 

13 de Novembro de 2018  (1ª Sessão – Especulação Imobiliária – Investimento Estrangeiro)

 

(As intervenções das entidades e do público começam em 3:50:27)

 

Boa tarde, em nome do Morar em Lisboa agradeço o convite que nos foi feito para participarmos deste debate.

 

Nós do Morar em Lisboa consideramos que a existência de ações e de legislação específica que têm como objetivo primário a captação de capitais e investimentos estrangeiros, está a colocar em causa o direto de todos os cidadãos de ter acesso a uma habitação condigna, bem como à utilização do espaço público da #cidade, que tem vindo a ser objeto programático de privatizações.

 

Consideramos que nos encontramos perante uma dimensão perversa das dinâmicas de financeirização da cidade, e que as atuais políticas públicas são parciais e excludentes. Consideramos também que a aposta programática na captação de investimentos estrangeiros e na hiperespecialização na indústria turística pode, a longo prazo, provocar um retrocesso económico para a maioria da população, favorecendo apenas uma pequena élite transnacional.

 

É hoje evidente a existência dum grande número de cidadãos que reclamam o direito à cidade e à #habitação. Gostaríamos de sublinhar que este facto demonstra a vontade dos cidadãos de defender também a democracia. Consideramos alarmantes as ameaças ao regime democrático que acontecem de forma cada vez mais frequente no Mundo. Por isso pedimos que as forças políticas oiçam a voz dos cidadãos, no respeito da própria democracia, criando com eles um diálogo permanente e evitando ações pontuais e/ou de mera comunicação de decisões já tomadas. Isso também na ótica de diminuir o descontentamento com a classe política, e evitar que o regime democrático do País seja abalado.

 

Neste sentido, e no âmbito específico da temática aqui abordada hoje, “Especulação imobiliária e investimento estrangeiro”, propomos diversas medidas, dentro das quais destacamos:

  1. Restrição do Regime Fiscal para Residentes Não Habituais e fim dos Vistos Gold. Isso porque consideramos que estes regimes se traduzem numa situação de profunda injustiça introduzindo desigualdade entre os beneficiados e os residentes permanentes, sejam eles portugueses ou estrangeiros.

  2. Investimento público com medidas eficazes de financiamento da habitação apoiada e da habitação pública, para que a população de mais baixos recursos não seja excluída do direito a uma habitação condigna;

  3. Política de colocação dos devolutos no mercado, para travar o processo de compra de imóveis para fins meramente especulativos e que vê as casas como puro produto financeiro.

  4. Colocação do património público ao serviço da população. Este património ou continua abandonado ou é vendido, alimentando a especulação;

  5. Consideramos imprescindível uma Lei de Bases da Habitação e uma Nova Lei das Rendas.

 

Tudo isto na ótica duma cidade com mais qualidade de #vida para todos, mais justa e com maior justiça espacial.

Partilhar

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.